Ushuaia: O Fim do Mundo

          Ola amigos, como vão???

 

Da ultima vez, paramos com uma experiência, não muito boa, no Trem do Fim do Mundo e um lindo treking no Parque Nacional Tierra Del Fuego; treking esse, que recomendo fortemente que seja reservado um dia todo para passar no parque; acredite: vale a pena.

 

Desta vez, a viagem será pelo mar.

 

Reservamos esse dia para conhecer o famoso Farol do Fim do Mundo (última construção antes da Antártida), e os leões marinhos e a ilha dos pássaros, que não lembro o nome.

 

Uma das dificuldades em Ushuaia, e que dificultou a nossa vida em relação a passeios, foi o tempo. Não o tempo em relação à hora, etc, mas o clima.

 

         O clima em Ushuaia é muito inconstante: em um dia, está um sol; durante o mesmo dia, de repente, começa uma chuva e pode até ter granizo.

Então, para marcar o tal passeio de barco, levamos 03 dias, pois no dia que estava certo, o tempo mudava e a marinha cancelava os barcos…  não tem o que fazer, a não ser esperar.

 

         Devido a esse problema de tempo (clima) e tempo (período) tivemos que sair do nosso confortável apart para um hostel mais barato; do contrário, não teríamos como continuar a viagem já que estávamos gastando acima da média diária programada. O problema, como falei, é que Ushuaia estava lotada.

 

         Por fim, depois de muitos telefonemas e pedidos de recado, conseguimos uma nova habitación em um hostel: O Los Cormoranes Youth Hostel.

 

         Filiado a rede HI (Hosteling Internacional), o Los Cormoranes é um Hostel que deixa muito a desejar. Não recomendamos de jeito nenhum; nós ficamos em quartos coletivos e mistos (homem e mulher), já que os privados (só tem 02), estavam ocupados. Além disso, o hostel não oferece calefação, os banheiros são coletivos e sujos, além das camas que não trocam os cobertores, nem as roupas de cama…  A cozinha, fica na entrada do hostel e várias vezes, enquanto estávamos cozinhando, um funcionário ou outro passava com os sacos de lixo, pingando, dentro da cozinha, até a saída; um verdadeiro nojo!!! Infelizmente, era o que tinha disponível…

 

         Apesar de tudo, tivemos nossos prós. Encontramos nesse hostel, um paulista que saiu de São Paulo de moto e estava fazendo um percurso muito parecido com o nosso. Ia passar 30 dias na estrada testando uma moto, uma Yamaha Faser.

 

         Olha, a melhor coisa é encontrar brasileiro; É uma verdadeira festa. Conversamos por horas e trocamos muitas dicas e idéias. O Alessandro Peres; super gente fina. Alessandro, um abraço. Segue o link com o relato da viagem dele: Stilo Nosso MC

 

 

 

Itinerário do Alessandro: Praticamente igual ao nosso.

 

 

 

Bem, essa foi a parte boa desse hostel. Ademais, não recomendo o mesmo de jeito nenhum; só se for o jeito (como foi para nós).

 

CDica para os viajantes: Ao invés de comer fora todos os dias, prefira cozinhar. Ushuaia tem dois hipermercados; o La Anônima, fica no começo da Av. San Martin, no centro e tem bons preços. Caso cozinhar não seja a sua praia, lá também tem refeições prontas (tipo Carrefour). Faça a sua quentinha, e bom apetite!

 

         Voltando ao passeio de barco, quando finalmente o tempo colaborou, seguimos direto para o porto para pegar o nosso barco; mais uma vez, fica a dica: pesquise. Existem vários barcos que fazem o mesmo passeio, porém cobram preços diferentes. Não se deixem enganar.

 

         Não tem muito protocolo para adentrar no porto de Ushuaia; temos, somente, que pagar a taxa de embarque que já está inclusa no passeio.

 

 

Embarque no Porto de Ushuaia

 

 

          Existem varias opções de passeios de barco com itinerários, duração e embarcações variadas.

 

O porto de Ushuaia é ponto estratégico para excursões para a Antártida, a última fronteira… Caso haja interesse de ir, prepare o bolso, pois não é nada barato.

 

         Bem, voltando ao nosso passeio, escolhemos o passeio que vai para a Isla de los Lobos, Faro Del Fin Del Mundo e Isla de los Pássaros. Esse passeio, tem duração de 3:30. Navegamos por dois oceanos, atlântico e pacífico, até chegar nas ilhas, onde encontramos leões marinhos, coromarones (um tipo de gaivota) e o farol de Ushuaia, conhecido por Farol do Fim do Mundo.

 

 

Isla dos Passaros

Ilha dos Lobos

Farol do Fim do Mundo: Ollhe as Nuvens, tud ok certo?

 

 

         O passeio é muito bonito, e vale a pena fazê-lo. Mas leve um agasalho… pois os ventos frios da Antártida vem com muita força para cima de nós, derrubando a sensação térmica; ou seja, se a temperatura estava 8ºC, com o vento soprando forte, parecia que estávamos a -3º ou -4º. Eu, que não levei as minhas luvas e anorak, passei maus bocados, de forma que eu saia bem rapidinho, posava para as fotos e corria para dentro do barco. Mais do que 10 minutos lá fora e as minhas mão iriam congelar (pelo menos, essa era a minha impressão).

 

         Tudo transcorria bem, até que de repente o tempo começa a fechar. Nuvens escuras aparecem, como num passe de mágica; rapidamente, nosso comandante faz a volta no barco, acelera o motor, e toca para o porto. É claro que fiquei preocupado, afinal, cair em alto mar, com a água gelada, como deveria estar, não era uma experiência que eu queria passar. Mas graças a Deus, tudo correu bem. Ninguém enjoou, e chegamos sãs e salvos ao porto; mas com chuva.

 

 

Olha as nuvens, alguns minutos depois…

 

 

         Fomos para o nosso hostel e preparamos o nosso almoço. Depois, um bom descanso.

 

         Ainda a tarde, depois do cochilo, fui para o centro para comprar nossas passagens para Puerto Natales, no Chile.

 

         Ushuaia, não tem rodoviária. Os ônibus saem das garagens das empresas, sendo nestas, que compramos as passagens para os destinos disponíveis, ou mesmo nas agências de turismo.

 

         Bem, qual não foi a minha surpresa, quando fui comprar as passagens? Não tinha passagens; quer dizer, as passagens estavam esgotadas para os próximos 03 dias. Nosso cronograma, começa a desmoronar. Com essa eu não contava. Também, culpa minha que deixei para comprar a passagem de véspera.

 

         Bem, rodei todas as agências, todas as garagens, e nada. Não tinha. Quando já estava desistindo e voltando para o hostel para reprogramar e recalcular os custo da viagem, vejo uma agência bem pequena, somente uma portinha, que tinha passado por ela e não tinha notado.

        

         Entrei, consultei e… viva! Tinha passagem para a quinta-feira (era uma terça-feira); não era o que eu queria, mas era o que podíamos. Comprei os dois últimos lugares, só que não era para Puerto Natales, como planejado, e sim para Punta Arenas. Para Puerto Natales, não havia mais ônibus. Bem, Punta Arenas ficando a 03 horas de Puerto Natales, não tinha problema. Precisávamos era seguir viagem.

 

         Durante a nossa estada no apart, conhecemos uma família muito legal, que era a família da gerente do hotel. Eles nos adotaram e levaram-nos para conhecer as chocolatarias de Ushuaia, o cerro (monte) Olívia e uma área onde amigos deles estavam acampando. Alias, um local muito lindo; fiquei com muita vontade de acampar lá também.

 

 

Chocolate quente

 

 

 

E tome chocolate…

 

 

         Bem, na nossa última noite em Ushuaia, a Graziella (nuestra madre argentina), nos ofereceu um jantar de “hasta luego”.  Uma noite, adivinha de que? de pizza! Ai meu Deus, essas pizzas argentinas… Bem, claro que não podíamos negar. Que venham as pizzas!!!

 

         Essas eram caseiras; feitas por ela. Não estavam oleosas, muito pelo contrario, estavam bem saudáveis e até gostosas; mas não como as nossas…

 

         Foi uma noite muito agradável e memorável. Amigos delas de Buenos Aires haviam acabado de chegar e juntaram-se ao jantar; pessoas super agradáveis. Daí pediram mais pizzas, mas desta vez de uma pizzaria.

 

 

Amigos de Ushuaia: Noite da pizza

 

 

Como tinham alguns rapazes e perguntaram sobre nossos times no Brasil e a copa e tudo, eles perguntaram qual era o meu palpite para o campeão da copa que viria. Bem, como todo bom brasileiro, abri toda a mão, fazendo um gesto mostrando os cinco dedos, colocando na frente do rosto, e disse com toda a modéstia… Rapaz… não sei…

Mas claro que eles sabem que eu sabia. E o que eu estava querendo dizer… hehehehe. Eu não poderia perder esta oportunidade, é claro.

 

         Tudo correu bem no jantar e no final, Grazzi foi nos deixar no nosso hostel. Era coisa de 01:20h. Nosso ônibus sairia as 06:00h.

 

         As mochilas já estavam devidamente arrumadas, e com cinco minutos eu já estava cochilando…  Eram 02:30 quando Fofinha me acorda. Ela estava passando mal; se tremendo toda. Pensei logo: deve ser o frio. Coloquei tantos agasalhos quanto pude, mas nada adiantava; Ela estava em choque. Tentando manter a calma, fui revendo mentalmente os meus procedimentos de primeiros socorros, refazendo os nossos passos durante o dia e pensando no que ela poderia ter feito para estar nessa situação. Corri para a cozinha do hostel, preparei um chá no microondas e levei para ela. Ainda tremendo, depois do chá ela melhorou. Mas agora se queixava de dores na barriga. Sal de Frutas!!!, pensei. Preparei uma dose bem forte e levei para ela. Assim que ela tomou o preparado, com coisa de 2 minutos começou a ingüiar; correu para o banheiro, mas não deu tempo. Vomitou perto da entrada do mesmo. Achei ótimo. O que quer que estivesse fazendo mal a ela, havia saído. Lembrei que ela comeu das duas pizzas, a caseira e a da pizzaria; eu, pelo contrario, só havia comido da caseira.

 

         Pensando que tinha acabado, ela correu para o banheiro; dessa vez, a crise era de diarréia. Ela expulsou tudo que estava lhe fazendo mal. Tomou um banho e voltou a dormir.

         Eu fiquei acordado, velando o seu sono, com medo dela passar mal e com medo de não acordar e perder o ônibus.

Este foi o nosso primeiro susto, nessa expedição.

 

         Antes disso, quando havia ido a cozinha, tinha encontrado um Neo Zelandês que estava arrumando a sua mochila; ele iria partir no mesmo ônibus que nós. Marta estava dormindo, fui lá e conversei com ele. Trocamos umas idéias e acordamos o seguinte: aquele que acordasse primeiro acordaria o outro. Achei ótimo. Mas e se ele não acordasse? Eu não podia pensar nisso. Voltei para o nosso quarto (coletivo) e me entreguei ao cansaço. Marta ainda dormia, graças a Deus.

 

         Pouco antes das 06:00, uma pessoa me puxa pelo pé; era o cara (não lembro no nome); Pulei da cama, acordei Fofinha, pegamos as nossas mochilas e chamamos um táxi.

 

         Chegamos no ponto, o ônibus já estava esperando; guardamos nossas mochilas e nos preparamos para as mais de 30 horas de viagem que estariam por vir. O ônibus começa a sair, passamos pelo canal de Ushuaia, o sol estava nascendo. Era a nossa despedida de Ushuaia.

 

 

Hasta Luego, Ushuaia. Nos veremos em breve

 

 

No próximo capítulo (hehehe), estamos na estrada, seguindo para o Chile e nosso primeiro grande treking em Torres Del Paine.

 

Abs

 


Rômulo Murdock

 

FORCA SEMPRE

 

In God we trust!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s